quinta-feira, 14 de junho de 2018

LIVRO: DIREITO DIVINO A LEGÍTIMA DEFESA

 Você pode adquirir este livro em dezenas de livrarias virtuais no mundo inteiro, no Brasil pode ser  nos links abaixo:



https://www.clubedeautores.com.br/book/248463--Direito_Divino_a_Legitima_Defesa?topic=angelologia#.Wx3C3TQvzIU


https://www.amazon.com.br/dp/B079TMQ6CM

TAMBÉM NAS LIVRARIAS:
Livraria Saraiva
Livraria Cultura
Lojas Americanas
Magazine Luiza
Submarino
Mercado Livre
Estante Virtual
Buscapé

Sinopse

Deus criou homens, animais, plantas e toda espécie de seres vivos com capacidade e armas naturais para se defenderem e se necessário matar o agressor e predador. Nem o Estado pode usurpar do indivíduo seu direito divino e sagrado de se armar e se defender. Você pode ter arma de fogo e tem o direito de usa-la para se defender, ainda que o Estado proíba. Toda a natureza criada por Deus foi projetada para se defender, não seria os seres humanos que ficariam sem defesa. São ridículas e dignas de insultos as leis que proíbem o indivíduo de se defenderem. Uma lei maior escrita por Deus em todo o mundo diz que você pode pegar pedra, pau, faca, revólver, torpedo, míssil, bomba nuclear e tudo que estiver ao seu alcance para defender sua vida, sua família e sua propriedade. Matar nem sempre é crime, nem sempre é homicídio. Quando leis provenientes de insanos contraria a Deus e a natureza das coisas, você pode cagar nelas sem pecar.



Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 163

Edição: 1(2018)

ISBN: 978-1983982255

Formato: A5 148x210

Acabamento: Brochura c/ orelha

Tipo de papel: Offset 75g






FILME: NADA A PERDER

por

RIO — Com 4 milhões de ingressos vendidos antes mesmo de estrear, a cinebiografia do bispo Edir Macedo, "Nada a perder", já é a maior bilheteria do ano. No entanto, sessões visitadas pelo GLOBO na estreia, nesta quinta-feira (29), estavam vazias, apesar de terem seus ingressos praticamente esgotados.
A reportagem foi ao Espaço Itaú de Cinema e ao Cinemark, ambos em Botafogo, em três sessões do filme na tarde desta quinta. Cerca de 40 pessoas compareceram a cada uma dessas exibições. As salas visitadas comportam 251 e 219 lugares, respectivamente.
CRÍTICA: Bonequinho sai da sala em filme que fabrica um santo
Alguns espectadores presentes afirmaram que os ingressos estão sendo distribuídos para os fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus:
— O pastor da minha igreja na Rua Riachuelo (Centro) deu ingressos para todos que estavam na última reunião — disse Maria Gomes, que distribuiu algumas entradas da "cota" de sua família na frente do Espaço Itaú de Cinema.
Sessão do filme 'Nada a perder' sobre Edir Macedo na sala do Espaço Itaú com lotação para 251 pessoas - Infoglobo

Em ambos os cinemas, mulheres ficavam próximas às salas de exibição distribuindo lencinhos personalizados com uma passagem bíblica e um link para a página oficial do bispo Macedo na internet. Uma delas, identificada apenas como Deolinda, deu um ingresso para o repórter.
— O bispo Macedo tem uma história muito sofrida, igual à nossa, foi humilhado na infância e conseguiu levar a palavra de Deus para muita gente — disse Júlia Alves, espectadora que recebeu os ingressos na igreja da Rua São Clemente, em Botafogo.
Procurada pelo GLOBO, a distribuidora Paris Filmes disse que não recebe informações a respeito de vendas de ingressos. Por e-mail, o departamento de comunicação social da Igreja Universal chamou de “vergonhosa a acusação” de que estaria comprando ingressos para distribuir aos fiéis.
Também reiterou nota, publicada em seu site na última sexta-feira, que dizia: “A mídia, os produtores e promotores de fake news tentarão, de todas as formas, espalhar que o êxito do filme foi manipulado, que os ingressos teriam sido comprados pela Universal e distribuídos aos fiéis. É mentira! A Universal não comprou, nem comprará entradas de cinema. O que existe é a mobilização espontânea de grupos e de membros da Universal, que se organizaram para que o maior número de pessoas tenha chance de assistir ao filme
CONTINUAÇÃO DO FILME ESTÁ CONFIRMADA
Com previsão de exibição em 1.109 salas, "Nada a perder" é o terceiro maior lançamento para um filme brasileiro, atrás apenas de "Os Dez Mandamentos"" (1.127 salas) e “Minha mãe é uma peça 2” (1.125). Os três são parcerias das produtoras Paris Filmes e Downtown.
Com direção de Alexandre Avancini, a adaptação do best-seller de Douglas Tavolaro é protagonizada pelo ator Petrônio Gontijo, que vive o Bispo Macedo. O filme, junto com sua sequência já confirmada para 2019, tem um orçamento de R$ 40 milhões.
Após três meses em cartaz, “Nada a perder” estará disponível na Netflix. Além disso, terá ainda distribuição internacional: a partir de 26 de abril, entra em cartaz em 700 salas em toda a América Latina, além da África do Sul, Angola e Moçambique, onde a Universal tem presença. No Brasil, haverá sessões itinerantes em presídios, hospitais e escolas.
No filme "Os dez mandamentos" (2016), adaptação da novela da Record também dirigida por Vancini, a IURD também foi acusada de comprar bilhetes para distribuir entre seus fiéis. O filme tornou-se a maior bilheteria da história do cinema nacional. A Igreja também negou que tenha usado essa estratégia.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

LIVRO: AS PALMEIRAS - MARAVILHAS DE DEUS

Este livro pode ser adquirido no Amazon.com.br ou no clubedeautores.com.br

Sinopse

Resolvi escrever este livro sobre as palmeiras porque elas são criaturas esplendorosas, e elas exercem algum fascínio sobre a espécie humana de tal maneira que os homens sempre que tem espaço em suas propriedades procuram plantar a certa distância de suas casas, alguma variedade de palmeira. Com a vida moderna tornando o metro quadrado de um terreno, um preço muito caro, as pessoas passaram a plantar espécies menores em seus jardins e depois com a necessidade das pessoas morarem em apartamentos, agora elas compram palmeiras ainda mais de pequeno porte e que se adaptem em viverem em ambiente com baixa luminosidade ou com luz artificial. Mas as pessoas não estão desistindo de viverem próximo a alguma palmeira. As praças e avenidas das cidades não abrem mão de se enfeitarem com palmeiras. Os fazendeiros e donos de chácaras gostam de fazer corredores de palmeiras como colunas vivas. As palmeiras produzem beleza, alimentos para pessoas e animais, abrigo para diversas espécies de animais, coluna de sustentação para as plantas epitáfias.

Cover_front_perspective
Número de páginas: 149

Edição: 1(2017)

ISBN: 978-1537005492

Formato: A5 148x210

Acabamento: Brochura c/ orelha

Tipo de papel: Offset 75g



























FILME DO LULA UMA FARSA





Resultado de imagem para FILME SOBRE LULA FINANCIADO PELO CRIME



Resultado de imagem para FILME SOBRE LULA FINANCIADO PELO CRIME

Lula, o pai das empreiteiras: filme sobre ex-presidente teve patrocínio de três empresas enroladas com Lava Jato

Lula filho do Brasil
Exibido nesta segunda-feira (2) pelo canal Cinemax, o filme chapa-branca “Lula, o filho do Brasil” foi patrocinado e apoiado por um grupo de 18 empresas – a maioria delas com negócios com o governo do PT – que doou 12 milhões de reais para a produção, uma fortuna para os padrões cinematográficos nacionais.
Três empreiteiras hoje enroladas com a Operação Lava Jato integraram esse grupo:
1) Camargo Corrêa – Participava das obras do Programa de Aceleração do Crescimento, o PAC, tendo recebido, em 2008, 102,7 milhões de reais. Agora, o diretor-presidente, Dalton Avancini, o presidente do Conselho de Administração, João Ricardo Auler, e o diretor vice-presidente da empreiteira, Eduardo Leite, estão presos preventivamente desde novembro na carceragem da Polícia Federal em Curitiba por envolvimento com fraudes e lavagem de dinheiro envolvendo contratos com a Petrobras.
2) OAS – Foi uma das financiadoras da campanha de reeleição de Lula e também atuante nas obras do PAC, tendo recebido, em 2007, 107 milhões de reais. Agora, o presidente Léo Pinheiro e os executivos Mateus Coutinho, Agenor Medeiros e José Ricardo Breghirolli estão presos na carceragem da Polícia Federal em Curitiba por corrupção, lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa. Ressentidos com os presidentes que lhes dão as costas na hora do sufoco, eles planejam levar Lula e Dilma Rousseff à roda da justiça também, como revelou VEJA desta semana.
3) Odebrecht – Venceu em 2007, em parceria com a estatal Furnas, a licitação para a construção da usina de Santo Antônio, no Rio Madeira, quando o valor do investimento foi definido em 9,5 bilhões de reais, com 75% do total financiado pelo BNDES. Agora, a empreiteira que pagou 23 milhões de dólares ao ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, segundo o delator, e a única ainda sem ninguém preso, está incomodada com os “vazamentos” na Lava Jato: “Os vazadores sentem-se à vontade para atingir seu pérfido intento: levar a público declarações naturalmente sujeitas à verificação e decerto adredemente selecionadas para, à margem do devido processo legal, atingir a imagem de empresa com sólida reputação a zelar”, diz um trecho da petição dos advogados, entre os quais a sócia do falecido Márcio Thomaz Bastos. Como se não fôssemos nós os incomodados com o vazamento de dinheiro dos nossos impostos para propinas e superfaturamentos de obras públicas.
Na época de lançamento do filme sobre (o mito de) Lula, em novembro de 2009, o diretor de uma empreiteira contou à VEJA, reservadamente, o que de fato as atraiu. Segundo ele, os produtores deixaram claro que se tratava de um filme oficial, de interesse e “autorizado” pelo presidente da República. As empresas então desembolsaram quantias que variaram de 500 000 a 1 milhão de reais. “Que empresa não iria querer participar? Isso ajuda a abrir várias portas no futuro. Ou, pelo menos, a não fechá-las”, admitiu o funcionário.
As portas, de fato, ficaram abertas entre os petistas e as empreiteiras, como hoje comprovam as investigações. No primoroso livro Tudo ou nada, Malu Gaspar conta que Eike Batista tampouco “alimentava qualquer ilusão de que seus projetos — tão dependentes de concessões, licenças ambientais e autorizações de todo tipo — pudessem deslanchar sem a boa vontade dos governantes”. Ciente da “importância de ter bons amigos no governo na hora do aperto”, Eike decerto não foi o único nos últimos doze anos a se perguntar “Como faço para virar um empresário do PT?” e a alcançar temporariamente esse objetivo. Os executivos de Camargo Corrêa, OAS e Odebrecht também conseguiram seu quinhão do Estado obeso brasileiro.
Se “Lula, o filho do Brasil” é filho dessas empreiteiras, Lula é o verdadeiro paizão de todas elas.

sábado, 5 de novembro de 2016

LIVRO: 101 MARAVILHAS DE DEUS - VOLUME II

Este é o segundo livro de uma série interminável onde o Escriba de Cristo interpreta as leis naturais segundo o princípio absoluto da verdade na qual Deus é a causa de tudo, não há outra possibilidade para explicar o universo. Animais, plantas, química, física, tudo aponta para uma mesma mente.


Cover_front_perspective
Número de páginas: 100

Edição: 1(2016)

ISBN: 978-1539934417

Formato: A5 148x210

Coloração: Preto e branco

Acabamento: Brochura c/ orelha

Tipo de papel: Offset 75g












Livro a venda no clubedeautores.com e no amazon.com.br, ou leia gratuitamente no slideshare.

Este é o segundo volume da coleção MARAVILHAS DE DEUS. Não sei precisamente quantos volumes irei publicar uma vez que são bilhões de maravilhas que Deus criou. Tenho falado sobre as maravilhas de Deus evidentes na botânica, na zoologia, nas ciências naturais, na física e na química entre outros campos do saber humano onde permeiam as assinaturas do Criador. Quando se percebe que cada detalhe do universo que nos cerca tem um propósito, que não tem nada inacabado, fica escancarado que há uma mente inteligentíssima por trás do universo, e não somente inteligente, mas poderosíssima para poder por a termo suas ideias. Este SER cria matéria do nada, este SER tem em seu poder todos os recursos do universo, este SER programou cada criatura como um software embutido no DNA de cada ser vivo. Ao final não há como escapar de Deus.



quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Muhammad in film

Muhammad in film

Valdemir Mota de Menezes
 
From Wikipedia, the free encyclopedia
Part of a series on
Muhammad
Muhammad
The depiction of Muhammad, the Islamic Prophet, in film (as with other visual depictions) is a controversial topic both within and outside of Islam. The Quran does not explicitly forbid images of Muhammad, but there are a few hadith (supplemental teachings) which have explicitly prohibited Muslims from creating visual depictions of figures. There is a split on this issue between the two major denominations of Islam, Sunni and Shia Islam.
Most Sunni Muslims believe that visual depictions of all the prophets of Islam should be prohibited[1] and are particularly averse to visual representations of Muhammad.[2] In 1926, Egyptian actor Youssef Wahbi was in discussions to play Muhammad in a film financed by the Turkish government under Atatürk. When the Sunni Islamic Al-Azhar University in Cairo heard about it, scholars there released a fatwa stipulating that Islam forbids the depiction of Muhammad on screen and King Fuad then sent a severe warning to the actor, threatening to exile him and strip him of his Egyptian nationality. As a result of the controversy, the film was abandoned.[3]
In Shia Islam, scholars historically were also against such depictions, but have taken a more relaxed view over the years and images of Muhammad are quite common nowadays.[2] A fatwa given by Ali al-Sistani, the Shi'a marja of Iraq, states that it is permissible to depict Muhammad, even in television or movies, if done with respect.[4]

Notable films

The Message

Mohammad, Messenger of God, released in the US as The Message, was the first major film about Muhammad. The film was released on January 1, 1976 and on July 29 of the same year it had its premiere in "Plaza", a London cinema. There are two versions of the movie, an English one and an Arab one. The Arab version had also its premiere in a London cinema, Curzon, on August 19, 1976. Both versions were screened till September 29. So the English version was shown for nine weeks, and the Arab version for six weeks.
When director Mustafa Akkad (1935-2005) was shooting the film, he made use of an American cast and an Egyptian cast. In the English version Anthony Quinn played Hamza, Michael Ansara Muhammad's principal opponent Abu Sufyan, and Irene Papas Abu Sufyan's wife Hind. In the Arab version these roles were played by Egyptian actors. However, in a number of overall shots, in which a large group is acting, such as the Battle of Badr, it can be heard that the scene is shot only once, as the actors shout "Allahu Akbar", whereas in other similar scenes the director opted for "God is great".
Although the movie is about Muhammad, the director decided to shoot the film so as to not depict Muhammad. Akkad frequently changed the position of the camera at moments when Muhammad would be brought into vision. When Muhammad was essential to a scene, the camera would show events from his point of view.[5]
The Message became very popular, not the least in the circles of Muslims, for example in Africa, and Asia. Even so, two well-known fatwas from Al-Azhar University and Shiite Council of Lebanon were issued about The Message.
It is certainly probable that this is not the result of the creativity of the filmmakers but of the rules announced by the Islamic scholars of the Azhar and the Shia Council of Lebanon, who prohibited any representation of Muhammad's wives as well as of Muhammad himself.[5]

Muhammad: The Last Prophet

Muhammad: The Last Prophet is an animated film produced by Badr International according to the same principles as "The Message". Its director is Richard Rich. The movie was released in 2004 and it was screened in a limited number of movie-theatres in the United States and the United Kingdom. The film focuses on the early period of Islam.

Future projects

There are some new films currently being produced about Muhammad, considered the "second of their kind" (referring to Western films respecting the portrayal of Muhammad).[6][7]
In October 2008, Producer Oscar Zoghbi, who worked on the original The Message, stated that he would shooting a remake called The Messenger of Peace, to be shot around the holy cities of Mecca and Medina.[7]
In October 2012, Iranian director Majid Majidi began shooting a film titled Muhammad: The Messenger of God with plans to show Muhammad on screen, though not his face, as per Shia tradition. The film world premier is set to 22 July 2015.[8]
Film producer Barrie M. Osborne has been hired as an adviser on a possible series of epics about Muhammad. The films, which are financed by a Qatari media company and will be supervised by the Egyptian cleric Yusuf al-Qaradawi, are unlikely to depict Muhammad at all on screen as per Sunni tradition which sees all renderings of the prophets as blasphemous.[6][9]

List of films

Date Production company Title Country of origin References
September 3, 1977 Moustapha Akkad The Message (or Mohammad, Messenger of God)  UK  USA [10][11]
[12][13]
[14][15]
November 14, 2004 Fine Media Group Muhammad: The Last Prophet  USA [16][17]
[18][19]
[20][21]
December 17, 2002 PBS Muhammad: Legacy of a Prophet  USA [22][23]
[24][25]
[26][27]
[28]
Unknown History Channel Muhammad: Biography  UK [29][30]
2000
March 5, 2005
PBS Islam: Empire of Faith  USA [31]
[32][33]
[34]
March 12, 2002 Mpi Home Video Story of Islam  USA [35]
September 25, 2006 Quantum Leaps; EDS Understanding Islam - The Signs Of The Last Day  Turkey [36]
2005 BBC (BBC Four) An Islamic History of Europe  UK [37][38]
[39]
May 2, 2004 BBC A Muslim In The Family  UK [40][41]
[42][43]
Unknown BBC The Smell of Paradise  UK [44]
Unknown Unknown Why Did We Choose Islam - The Enlightenment

October 21, 2004 National Geographic Inside Mecca  USA [45]
Unknown BBC Me and the Mosque

March 2, 2006 Towers Productions Secrets of the Koran - Decoding the Past  USA [46]
Unknown Unknown Muhammad: A Mercy to Mankind
[47]
July 18, 2011
July 25, 2011
August 1, 2011
BBC (BBC Two) The Life of Muhammad  UK [48]
March 2015 Nurtaban Film Industry Muhammad  Iran [49]


FILME SOBRE MAOMÉ

Entenda por que o filme sobre Maomé foi considerado ofensivo por muçulmanos

Atualizado em  14 de setembro, 2012 - 18:56 (Brasília) 21:56 GMT
Milhares de pessoas têm protestado em países da Ásia, da África e do Oriente Médio contra um filme feito nos Estados Unidos, que retrata o profeta Maomé. A BBC explica por que a obra tem causado tanta indignação:

O que o filme mostra?

O vídeo, que é o trailer de um filme mais longo chamado Innocence of Muslims ("Inocência de Muçulmanos", em tradução livre), parece retratar o islã como uma religião de violência e ódio, e Maomé, como um homem tolo e com sede de poder.
A primeira cena do vídeo mostra uma família cristã copta vivendo em um Egito em processo de radicalização e sofrendo ataques de muçulmanos. O pai diz às filhas que os muçulmanos estão matando os cristãos e que o Estado islâmico está escondendo seus crimes.
Em seguida, o filme mostra o profeta Maomé com sua família e seus seguidores no deserto. Maomé é mostrado em posições sexuais com a sua mulher e com outras. Uma das sequências que mais insultaram os muçulmanos inclui uma referência a Maomé sancionando o abuso de crianças, e em determinado momento o profeta revela ser homossexual.
Muitos dos personagens recitam versos supostamente tirados do Corão, mas claramente inventados, falando de matar e extorquir pessoas.

Por que o conteúdo é tão ofensivo?

Qualquer representação de Maomé já vai contra os ensinamentos islâmicos - imagine então uma representação satírica e crítica. A descrição pouco elogiosa da mulher de Maomé e de seus seguidores também é considerada uma blasfêmia.
O princípio fundador do islã é que o Corão é a palavra direta de Deus, revelada a Maomé para ser divulgada à humanidade. Sendo assim, o fato de o vídeo sugerir que o Corão é inspirado em versos do Antigo e do Novo Testamento também é uma afronta aos muçulmanos.
Outras referências aos casos de Maomé com mulheres, a sua ganância e sua tendência à violência também são ofensivas em qualquer contexto.

O que se sabe sobre o vídeo?

Acredita-se que o filme completo tenha cerca de uma hora, ainda que o vídeo mais visto seja um trailer de 14 minutos, amplamente divulgado em inglês e árabe.
O filme tem características amadoras, no que diz respeito a atores, cenário e produção. Foi filmado durante cinco dias em um estúdio da Califórnia em agosto do ano passado, com cerca de 50 atores e outras dezenas de produtores.
A maior parte do conteúdo ofensivo parece não estar presente no filme original, e sim ter sido dublada posteriormente.

Quem é Nakoula Basseley Nakoula?

O trailer foi colocado no YouTube por uma conta ligada ao usuário "sambacile" - inicialmente descrito como um judeu israelense que levantou US$ 5 milhões com israelenses nos EUA para fazer o filme. Mas essa pessoa não existe.
Autoridades dos EUA agora dizem ter identificado Nakoula Basseley Nakoula, um egípcio cristão copta que vive na Califórnia e pode ser o autor do filme. Basseley, condenado por fraude em 2010 e forçado a pagar mais de US$ 790 mil em restituições, é suspeito de ter usado o pseudônimo "Sam Bacile" para esconder sua identidade. Ele nega as acusações.

O que dizem os atores?

Eles alegam que foram enganados a respeito do filme, dizendo que o projeto original não tinha nenhuma relação com o islã ou com o profeta. Segundo eles, todas as referências a Maomé e os insultos religiosos foram adicionados depois, na fase de pós-produção.
Cindy Lee Garcia, que fez uma pequena participação no filme, disse ao site Gawker.com que ela e seus colegas receberam um roteiro de um filme chamado Desert Warriors ("Guerreiros do Deserto", em tradução livre), que seria um drama histórico ambientado no Oriente Mèdio.
A atriz confirmou ter visto Nakoula durante as gravações.

Tem algo mais acontecendo nessa polêmica sobre o filme?

Como ficou evidente depois da publicação dos charges sobre Maomé em 2006, líderes políticos e religiosos na região se utilizam desses supostos insultos ao islã para provocar manifestações públicas.
Manifestações começaram a se espalhar do Egito para outros países - inflamado talvez pela mídia local - por causa da desconfiança em relação ao Ocidente, algo que muitos grupos vêm capitalizando sobre a polêmica.