terça-feira, 30 de agosto de 2011

O PRISIONEIRO DA GRADE DE FERRO

Este documentário não contém uma ideologia clara da sua posição, apenas retrata a vida dentro do Centro de Detenção de São Paulo, no ano de 2001, antes da implosão que deu fim a uma cadeia gigante que estava incrustada no meio da cidade de São Paulo. Presídios não foram construídos para reformar ninguém, mas para afastar da sociedade os indivíduos que cometeram crimes e que precisam pagar pelo que fez, ficando isolado da sociedade e afastado da sociedade. O princípio universal de punir os que não respeitam as regras é na verdade um princípio divino. Não tenho pena dos presos, em síntese, estão colhendo o que plantaram. (texto do escriba Valdemir Mota de Menezes, audio em português)


1

video


Este documental no contiene una clara ideología de su posición sólo retrata la vida en el Centro de Detención de São Paulo, en 2001, antes de la implosión que puso fin a una cadena gigante que se ha incrustado en el centro de la ciudad de São Paulo. Las prisiones no fueron construidos para la reforma de nadie, sino para eliminar de la sociedad a las personas que cometieron delitos y deben pagar por lo que hizo, al estar aislados de la sociedad y lejos de la sociedad. El principio universal de castigar a aquellos que no respetan las reglas es en realidad un principio divino. Yo no lo siento por los presos, en definitiva, están cosechando lo que sembró. (Texto del escriba Valdemir Mota de Menezes)



2


video



This documentary does not contain a clear ideology of its position only portrays the life in the Detention Center of São Paulo, in 2001, before the implosion that brought an end to a giant chain that was embedded in the middle of the city of São Paulo. Prisons were not built to reform anyone, but to remove from society the individuals who committed crimes and they must pay for what he did, being isolated from society and away from society. The universal principle of punishing those who do not respect the rules is actually a divine principle. I'm not sorry for the prisoners, in short, are reaping what they sowed. (text of the scribe Valdemir Mota de Menezes)



3

video


Ce documentaire ne contient pas une idéologie claire de sa position ne présente que la vie au centre de détention de São Paulo, en 2001, avant l'implosion qui a mis fin à une chaîne géante qui a été incorporé dans le milieu de la ville de São Paulo. Prisons n'ont pas été construits pour réformer quiconque, mais de retirer de la société les individus qui ont commis des crimes et qu'ils doivent payer pour ce qu'il a fait, être isolé de la société et loin de la société. Le principe universel de punir ceux qui ne respectent pas les règles est en fait un principe divin. Je ne suis pas désolé pour les prisonniers, en bref, récoltent ce qu'ils ont semé. (Texte de la scribe Valdemir Mota de Menezes)


4

video


Questo documentario non contiene una ideologia chiara della sua posizione ritrae solo la vita nel centro di detenzione di São Paulo, nel 2001, prima che l'implosione che pose fine ad una catena gigante che è stato incorporato nel bel mezzo della città di São Paulo. Le prigioni non sono stati costruiti per la riforma nessuno, ma per rimuovere dalla società degli individui che hanno commesso crimini e devono pagare per quello che ha fatto, di essere isolati dalla società e dalla società. Il principio universale di punire coloro che non rispettano le regole è in realtà un principio divino. Non mi dispiace per i prigionieri, in breve, stanno raccogliendo quello che hanno seminato. (Testo della scriba Valdemir Mota de Menezes, audio in portoghese)



5


video


هذا الفيلم الوثائقي لا يحتوي على عقيدة واضحة في موقفها فقط يصور الحياة في مركز الاحتجاز في ساو باولو ، في عام 2001 ، قبل انهيار التي وضعت حدا لسلسلة العملاقة التي كانت راسخة في وسط مدينة ساو باولو. لم تكن مبنية على إصلاح السجون أحدا ، ولكن لإزالتها من المجتمع على الأفراد الذين ارتكبوا جرائم ويجب عليهم أن يدفعوا ثمن ما فعله ، والانعزال عن المجتمع وبعيدا عن المجتمع. المبدأ العالمي لمعاقبة أولئك الذين لا يحترمون النظام هو في الواقع مبدأ الإلهي. أنا لست آسفة للسجناء، وباختصار ، هي تجني ما زرعت. (نص مينيزيس الكاتب موتا Valdemir والصوت باللغة البرتغالية)



6


video


bengali
কাগজপত্র কেবল চিত্রিত 2001 সাও পাওলো এর ডিটেনশন সেন্টারে জীবন, implosion যে একটি দৈত্য শৃঙ্খল যে সাও পাওলো শহরের মাঝখানে খচিত ছিল একটি শেষ আনা আগে, নেই তাদের অবস্থান সুস্পষ্ট চিন্তাধারা না. কারাগারগুলোতে কেউ সংস্কার ছিল, নির্মিত না কিন্তু সমাজে যারা ​​অপরাধ সংঘটিত থেকে এবং অপসারণের জন্য তারা কি তিনি কি জন্য দিতেই হবে, সমাজ থেকে বিচ্ছিন্ন হচ্ছে এবং দূরে থেকে সমাজ. যারা নিয়ম না শ্রদ্ধা করে না punishing সর্বজনীন নীতি আসলে একটি ঐশ্বরিক মন্ত্র. আমি বন্দীদের জন্য, দুঃখিত সংক্ষেপে না, কি তারা উপ্ত শস্যচ্ছেদন করা হয়. (লেখক Valdemir Mota Menezes এর টেক্সট, পর্তুগিজ অডিও)


7

video


תעודה זו אינה מכילה אידיאולוגיה ברורה עמדתה רק מתאר את החיים המעצר של סאו פאולו, בשנת 2001, לפני הקריסה שהביאה קץ לשרשרת ענק שהיה מוטבע באמצע של העיר סאו פאולו. בתי הסוהר לא נבנו לרפורמה אף אחד, אבל כדי להסיר מהחברה אנשים שביצעו פשעים והם חייבים לשלם על מה שהוא עשה, להיות מבודד מהחברה מן החברה. העיקרון האוניברסאלי של הענשת אלה שאינם מכבדים את הכללים הוא למעשה העיקרון האלוהי. אני לא מצטער על האסירים, בקיצור, קוטפים את מה שהם זרעו. (טקסט של הסופר מנזס Valdemir מוטה, אודיו בפורטוגזית)


8

video


Το ντοκιμαντέρ αυτό δεν περιέχει σαφή ιδεολογία της θέσης της μόνο απεικονίζει τη ζωή στο κέντρο κράτησης του Σάο Πάολο, το 2001, πριν από την κατάρρευση που έφερε τέλος σε μια τεράστια αλυσίδα που ήταν ενσωματωμένο στο κέντρο της πόλης του Σάο Πάολο. Φυλακές δεν χτίστηκαν για τη μεταρρύθμιση κανέναν, αλλά για να αφαιρέσει από την κοινωνία των ατόμων που διέπραξαν εγκλήματα και πρέπει να πληρώσουν για αυτό που έκανε, να απομονωθεί από την κοινωνία και μακριά από την κοινωνία. Η καθολική αρχή της τιμωρία όσων δεν σέβονται τους κανόνες είναι πραγματικά μια θεία αρχή. Δεν λυπάμαι για τους φυλακισμένους, με λίγα λόγια, είναι αποκομίζοντας ό, τι έσπειρε. (Κείμενο της Menezes γραφέα Valdemir Mota, ήχου στα πορτογαλικά)


9

video

Suaîle
Documentary hii haina itikadi wazi msimamo wake tu unaonyesha maisha katika Kituo cha kizuizini ya São Paulo, mwaka 2001, kabla ya implosion kwamba kuletwa mwisho wa mnyororo kubwa kwamba iliyoingia katikati ya mji wa São Paulo. Prisons hawakuwa kujengwa kwa mageuzi ya mtu yeyote, lakini kuondoa kutoka jamii ya watu ambao uhalifu na lazima kulipa kwa ajili ya aliyoyafanya, kutenganishwa na jamii na mbali na jamii. Kanuni ya jumla ya kuwaadhibu wale ambao hawana kuheshimu sheria ya kanuni ya Mungu ni kweli. Mimi si radhi kwa wafungwa, katika muda mfupi, ni kuvuna kile akipanda. (Nakala ya mwandishi Valdemir Menezes Mota, redio kwa Kireno)


10

video

Maltés





Dan dokumentata ma fihx ideoloġija ċara tal-pożizzjoni tagħha biss ipinġi l-ħajja fl-Ċentru ta 'Detenzjoni ta' São Paulo, fl-2001, qabel il-implosion li jinġiebu fit-tmiem il-katina ġgant li kien inkorporat fil-nofs tal-belt ta 'São Paulo. Ħabsijiet ma kinux mibnija biex jirriformaw xi ħadd, iżda li jneħħu mis-soċjetà l-individwi li wettqu reati u huma għandhom iħallsu għal dak li kien, li tiġi iżolata mis-soċjetà u 'l bogħod mis-soċjetà. Il-prinċipju universali ta 'jikkastigaw lil dawk li ma jirrispettawx ir-regoli fil-fatt huwa prinċipju divina. Jien ma sorry għall-priġunieri, fil-qosor, qed igawdu dak li żergħu. (Test ta 'l-Menezes scribe Mota Valdemir, awdjo bil-Portugiż)



11

video



Telugo
ఈ డాక్యుమెంటరీ మాత్రమే సావో పాలో యొక్క డిటెన్షన్ సెంటర్ లో జీవితం సావో పాలో నగరంలో మధ్యలో ఎంబెడెడ్ అని ఒక భారీ గొలుసు ఒక ముగింపు తీసుకువచ్చిన ఆకస్మికంగా పెరుగుదల రూపంలో ముందు, 2001 లో, పాత్ర పోషించాడు తన స్థానాన్ని ఒక స్పష్టమైన భావజాలం కలిగి లేదు. ప్రిజన్స్ ఎవరైనా సంస్కరణలకు నిర్మించని, కానీ దూరంగా సమాజం నుండి సమాజాన్ని నేరాలకు పాల్పడిన వ్యక్తులు నుండి తొలగించడానికి మరియు వారు అతను ఏమి తప్పనిసరిగా చెల్లించవలసిన, సమాజం నుండి వేరుచేయబడిన ఉండటం మరియు. నియమాలు గౌరవం చేయని వారిని శిక్షించే సార్వత్రిక సూత్రం నిజానికి ఒక దివ్య సూత్రం ఉంది. నేను చిన్న లో,, ఖైదీలకు క్షమించాలి కాదు వారు sowed ఏమి reaping ఉన్నాయి. (స్క్రిబే Valdemir మోటా మెనెజెస్ యొక్క Text, పోర్చుగీస్ లో ఆడియో)



12


video



Kannada
ಈ ಸಾಕ್ಷ್ಯಚಿತ್ರ ಮಾತ್ರ ಸಾವೊ ಪಾಲೊ ತಡೆ ಸೆಂಟರ್ ಜೀವನದ ಸಾವೊ ಪಾಲೊ ನಗರದ ಮಧ್ಯದಲ್ಲಿ ಎಂಬೆಡೆಡ್ ಒಂದು ದೈತ್ಯ ಸರಣಿಯ ಕೊನೆ ತಂದ implosion ಮೊದಲು, 2001 ರಲ್ಲಿ, ಚಿತ್ರಿಸುತ್ತದೆ ತನ್ನ ಸ್ಥಾನವನ್ನು ಸ್ಪಷ್ಟ ಸಿದ್ಧಾಂತ ಹೊಂದಿಲ್ಲ. ಪ್ರಿಸನ್ಸ್ ಯಾರಾದರೂ ಸುಧಾರಣಾ ನಿರ್ಮಿಸಲಾಯಿತು, ಆದರೆ ದೂರ ಸಮಾಜದ ಸಮಾಜದ ಅಪರಾಧಗಳಿಗೆ ಮಾಡಿಕೊಂಡ ವ್ಯಕ್ತಿಗಳು ತೆಗೆದುಹಾಕಿ ಮತ್ತು ಅವರು ಅವನು ಹಾಗೆ ಯಾವ ಪಾವತಿ ಮಾಡಬೇಕು, ಸಮಾಜದ ಪ್ರತ್ಯೇಕ ಮತ್ತು. ನಿಯಮಗಳನ್ನು ಗೌರವ ಇಲ್ಲ ಯಾರು ಶಿಕ್ಷಿಸುವ ಸಾರ್ವತ್ರಿಕ ತತ್ವವನ್ನು ವಾಸ್ತವವಾಗಿ ಒಂದು ದೈವಿಕ ತತ್ವ. ನಾನು ಸಂಕ್ಷಿಪ್ತವಾಗಿ, ಖೈದಿಗಳಿಗೆ ಕ್ಷಮಿಸಿ ಅಲ್ಲ ಹಾಕಿರುತ್ತೇನೆ ಅವರು sowed ಏನು reaping ಇವೆ. (ಸ್ಕ್ರೈಬ್ Valdemir Mota ಮೆನೆಜಸ್ ನ ಪಠ್ಯ, ಪೋರ್ಚುಗೀಸ್ ರಲ್ಲಿ ಆಡಿಯೋ)

terça-feira, 23 de agosto de 2011

O DESAFIO DE ELIAS


O DESAFIO DE ELIAS
O escriba Valdemir Mota de Menezes faz os seguintes apontamentos a respeito deste seriado para a TV, produzido no Brasil e transmitido pela REDE RECORD DE TELEVISÂO:
1 - O filme contextualiza relativamente bem a vida cotidiana dos israelitas no que tange a comida, habitação e vestuário
2 - O filme sai do tópico principal que é o profeta Elias e se demora longamente em conjecturas sobre a vida de Acabe e Jezabel.
3 -Os efeitos visuais do filme é muito fraco, prinicpalmente no ápice do filme, quando Javé faz cair fogo do céu para consumir o holocausto. Qualquer grupo teagtral amador faria algo melhor.
4 - Elias desafiou ao total 850 profetas, sendo estes profetas dos deuses pagão Baal e Asera. O filme mostra um pequeno grupo de pessoas representando estes profetas.É um fiásco, indígno da grande dos fatos reais e uma vergonha para uma produção brasileira.
5 - Critico também o fato de haver no filme, apelo sexual, romances fantasiosos, cenas de beijo, totalmente fora do contexto bíblico e que não edifica a fé de ninguém.

----------------------------

THE CHALLENGE OF ELIJAH
The scribe of Valdemar Mota Menezes makes the followingnotes on this series for TV, produced in Brazil and aired by Rede Record de Televisão:
1 - The film contextualizes relatively well the daily lives of Israeliswhen it comes to food, shelter and clothing
2 - The movie comes out that the main topic is the prophet Elijahand lingers long on conjecture about the life of Ahab and Jezebel.
3-The film's visual effects is very weak, especially at the apex of the film, when Yahweh makes fire come down from heaven to consume the burnt offeringAny amateur theater group would do something better.
4 - Elijah challenged 850 prophets to the total, and theseprophets of the pagan gods Baal and Asherah. The film shows asmall group of people representing these prophetsIt is a failure,unworthy of the great facts and a disgrace to a Brazilian production.
5 - also criticize the fact of the movie, sex appeal, fantasy novels,kissing scenestotally out of context and that biblical faith does not edify anyone.



1




video



2


video

3


video




4

video

5

video

6

video



7
video


8

video


9

video


10
video


11


video]

12

video

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

SERIAL KILLERS NOS FILMES DO CINEMA


O escriba Valdemir Mota de Menezes é um estudioso mediano de assuntos relacionados com psiquiatria, homicidas compulsivos e da história do cinema, de maneira que este artigo do Michel Wilian Bergamasco nos faz viajar no tempo e nas telas do cinema e mostra a relação entre os estudos relacionados aos serial killers e a cinematografia.


--------------------------------------------------------

Serial Killers

ao longo da história do cinema


Por Michel Wilian Bergamasco



Mas o que é um Serial Killer? A começar pelo nome, o termo Serial Killer começou a ser usado em na década de 1970 por Robert K. Ressler, um agente do FBI. Até então, o termo usado era Stranger Killer ( Assassino Desconhecido ). Acreditava-se que o assassino nunca conhecia suas vítimas, por isso este nome. Ressler observou que em alguns casos o assassino tinha algum tipo de contato com a vítima e começou a usar o novo termo, que "pegou" rápido.

Mas por quê uma pessoa torna-se Serial Killer? Esta é uma pergunta que vários filmes tentaram responder, porém, sem sucesso. Na verdade não há uma resposta exata e nem a ciência conseguiu definir o que faz uma pessoa a matar deste modo. No entanto há vários estudos sobre isso. Um deles, uma pesquisa feita por psiquiatras norte americanos em 1984 diz que na maioria dos casos, os Serial Killers tem uma doença que psiquiatria chama de DPA ( Distúrbio da Personalidade Anti-social ). A pesquisa apontou que 2,5 % da população sofre deste mal numa proporção oito vezes mais homens do que mulheres. A maior parte destes 2,5 % tem o desvio psicológico no estágio mais baixo, onde são exemplos pessoas que judiam de animais de estimação, chefes que humilham seus subordinados, pessoas que depredam bens públicos, etc. "Cada um de nós conhece alguém com essas características", concorda o neurocientista brasileiro Renato Sabbatini, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). No entanto, alguns fatores fazem com que o distúrbio chegue no estágio mais avançado, o que, segundo psiquiatras, é o que pode levar uma pessoa a se tornar um Serial Killer. Esses fatores podem ser uma família mal estruturada, traumas de infância como estupros ou mortes de entes queridos, pais ausentes ou alcoólatras, dificuldades financeiras, etc.









Outra pergunta que se tenta responder é causa do DPA. Vários cientistas divergem sobre este assunto. Alguns afirmam que é uma má formação do cérebro na parte responsável pelos distúrbios da personalidade ( sistema límbico ) e outros acham que é genético. Na verdade, ainda não há uma certeza sobre o que causa o DPA e também não há cura.

Na maior partes dos casos, um Serial Killer tem algumas características comuns. É um outro fator que é muito bem explorado pelos filmes que tratam do gênero. Algumas delas são: aparentemente parecem ser uma pessoa normal na sociedade, escolhem suas vítimas de acordo com algo em comum entre elas, que pode ser idade, religião, cor da pele, etnia, etc. Geralmente não usam armas de fogo, a morte quase sempre é preparada, para o Serial Killer é como se fosse um culto. Matam seguindo mais ou menos o mesmo espaço de tempo entre uma vítima e outra.








Com todas essas características e com esse desvio psicológico que não se sabe como acontece, os casos com Serial Killers sempre chamaram a atenção. A partir da década de 1950, houve uma grande onda de Assassinos em Série nos Estados Unidos que aterrorizou a população, pois a mídia da época explorava muito esses casos. A televisão era recém inventada e por isso as notícias chegavam mais rapidamente às pessoas. Por exemplo: Um Serial que matava dez pessoas no interior do Texas ficava conhecido no país inteiro e por isso a população entrava em pânico.
E foi a partir daí que o cinema começou a explorar este gênero. Hollyhood já estava muito comercial na época e o caráter capitalista, que sempre visa o lucro, fazia o que agradava a população. O cinema imitava a vida real para ganhar audiência.









O primeiro filme que usou um desvio psicológico como fator para matar e fez um grande sucesso foi Psicose de 1960, o filme de Alfred Hitchcock mostrava a história de um jovem de meia idade, chamado Norman Bates (Anthony Perkins), que após perder o pai, se apegou muito a mãe. Quando ela encontrou um novo marido, Norman sentiu que ia perder a mãe, e a matou junto com o padrasto. Depois, ele a empanou e a manteve dentro da casa como se ela estivesse viva. Aos poucos ele foi aderindo a personalidade dela e logo mais, começou a matar as mulheres que lhe causavam atração, como se fosse a mãe protetora defendendo o filho. O filme foi um grande sucesso na época e teve uma que cena ficou famosa, que é o assassinato de Marion Crane (Janet Leigh) no banheiro enquanto tomava banho. Destaque para a trilha desta cena, composta por Bernard Herrmann e que é muito boa, aumentando o suspense da ação. Outro destaque deste filme é a sua fotografia, que ficou por conta de John L. Russell. O filme ainda recebeu algumas críticas na cena final em que um psiquiatra explica o que se passava na mente do Serial Killer, pois parece querer dizer que sem essa explicação o público não entenderia o filme. Além disso, o filme ganhou duas continuações, que são bem inferiores ao primeiro.

Já na década de 1970, Serial Killers continuaram a ser explorados, mas de uma forma diferente, no gênero terror e de uma maneira muito "trash". Em 1973, o filme Massacre da Serra Elétrica, de Tobe Hooper alcançou algum sucesso. Ele contava a história de uma família de beira de estrada que recebia viajantes que passavam por ali para almoçar. Depois, eles o matavam e moiam o corpo para fazer comida. Neste filme não importava muito a exploração de um desvio psicológico e sim ter muito sangue, pois levava muitas pessoas ao cinema.
Não importando muito o gênero, filmes como estes, sempre buscaram inspiração na vida real. É o caso destes dois filmes citados, tanto Psicose, como Massacre da Serra Elétrica foram inspirados em casos reais, aliás, o mesmo caso, que é o do fazendeiro Ed Gein, que além de perder o pai muito cedo, tinha uma mãe que o explorava no trabalho, proibia o contato dele com mulheres e ainda era lésbica. Depois que ela morreu, Ed, assim como em Psicose e Massacre da Serra Elétrica, empanou sua mãe e a guardou no quarto, de vez em quando, ele se masturbava em cima dela. Logo depois, ele começou a matar mulheres que achava parecida fisicamente com sua mãe e tirava a pele destas para fazer roupa.









Ainda na década de 1970, mais precisamente em 1978, outro filme de Serial Killer, porém no gênero de terror, foi bem nas bilheterias. É o Halloween, de John Carpenter, que foi o primeiro a mostrar assassinos mascarados. Neste filme, Michael Myers (Serial Killer) escapa da clínica onde se tratava pelo assassinato de sua irmã. Volta para sua cidade natal e começa novamente a matar. Devido o sucesso, o filme ganhou várias seqüências, a mais recente em 1998, com o título de Halloween H20.


Entrando na década de 1980, o gênero terror "trash" continuou lotando cinemas, mas temos algumas "pérolas" que dão mais destaque ao distúrbio psicológico do que aos banhos de sangue. Falando primeiro dos filmes de terror, em 1981 começou a famosa série de Sexta-feira 13. O filme é baseado em uma história real, mas aderiu a linha de filmes onde o que importa é o número de mortes. Segundo a história real, Jason Voorhees era uma criança normal, a não ser pelo fato de ter o rosto deformado. Aos 11 anos morreu afogado no Acampamento de Crystal Lake. Sua mãe acusou o monitores de negligência por seu filho se afogado, segundo dizem por lá, os monitores estavam transando na hora em que Jason se afogava. No primeiro filme é a mãe de Jason, que depois de 20 anos retorna ao acampamento e começa a se vingar. Já na segunda, Jason ressuscita  e começa a matar. A partir daí, devido o sucesso, histórias fictícias são inventadas e Jason ressuscita a cada filme para matar. O filme teve 9 partes na década de 1980 e 1990 e ganhou a décima parte em 2001, que tem o título de Jason X.

Com o sucesso de Sexta-feira 13, outros filmes deste gênero fizeram sucesso na mesma década de 1980, o mais famoso foi A hora do Pesadelo, que teve várias partes, sendo a primeira em 1984 dirigida por Wes Craven. Neste filme, Freddy Krueger se manifestava nos sonhos, mais precisamente nos pesadelos dos jovens, os matando. Além de A hora do Pesadelo, outros filmes esbanjaram sangue nos cinemas por aí, é o caso de Natal Sangrento, Shocker-100.000 voltz de Terror e Henry.
Mais ainda na década de 1980, há bons filmes que abordaram mais o aspecto psicológico do Serial Killer. É o caso de O iluminado, de 1980, que é dirigido por um dos mestres do cinema, Stanley Kubrick. O filme mostra um escritor alucinado, muito bem interpretado por Jack Nicholson, que enlouquece e ameaça a própria família.

Em 1984, outro filme que explora muito o aspecto psicológico como motivo para assassinato foi Vestida para matar, de Brian de Palma. O filme mostra o psiquiatra transexual Robert Elliot (Michael Caine), vestindo-se de mulher a noite, e matando as pacientes que durante o dia causaram excitação no seu lado masculino. O filme é rico em suspense, fato a ser notado na única cena de assassinato que o filme mostra. A mulher, sai do apartamento e já se vê que alguém a está espiando de forma subjetiva. Ao andar até o elevador, mostra-se o rosto do Serial Killer Robert Elliot (já vestido de mulher) a vendo. Ela entra no elevador sozinha e começa a descer, a tensão aumenta, a qualquer momento parece que a porta do elevador vai abrir e ela ser atacada. Não demora muito e a porta abre, mas quem entra é uma mãe e uma criança. Neste momento, dá uma sensação de alívio ao telespectador, que pensa: "Ufa! Ela escapou!".

Engano, logo mais a mãe e a criança saem e ela fica novamente sozinha e ainda lembra que esqueceu a aliança no apartamento que estava. Ela sobe com o elevador e quando ele para, a porta se abre e de repente aparece o personagem de Michael Caine, vestido de mulher e com uma faca na mão. Ele entra no elevador, a porta se fecha, enquanto descem, ele a esfaqueia com vários golpes. A porta se abre lá embaixo e há um casal parado para entrar, ao verem a mulher esfaqueada, o homem corre, a mulher 2 fica pasma e tenta ajudar a outra. Ela consegue ver o reflexo do assassino pelo espelho do elevador, pois ele ainda está lá dentro escondido atrás da porta. Ela se assusta, o assassino aproveita o momento para fugir, mas antes larga a faca usada no crime. A mulher 2 a pega na mão e é surpreendida por uma empregada do prédio, que grita. Toda a seqüência tem um show de cortes e dramaticidade, realmente passa uma sensação de suspense. De fato é um ótimo filme de Brian de Palma, que como fã de Hitchkoc, inspirou-se em Psicose, para criar o desvio psicológico de seu personagem.

A década de 1990 começou com tudo em termos de filme que abordam problemas psicológicos. Em 1991, o diretor Jonathan Demme lança um dos melhores filmes do gênero, O Silêncio dos Inocentes. A começar pelo elenco, que traz Anthony Hopkins e Jodie Foster em ótimas atuações. O filme conta a história de uma jovem agente do FBI, Clarice Starling (Foster), que é ajudada por um Serial Killer que já está preso, o doutor Hannibal Lecter (Hopkins), mais conhecido como Canibal, a prender um outro Serial Killer que está na ativa, Buffalo Bill (Ted Levine). Foi o primeiro filme que trata de Serial Killer que ganhou o Oscar de Melhor Filme, além disso, ganhou mais 4 Oscars, Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Diretor e Melhor Roteiro Adaptado. E ainda foi indicado a mais duas categorias, Melhor Som e Melhor Edição. O filme ganhou uma continuação em 2001, Hannibal, que foi bem nas bilheterias, mas nem tanto nas críticas. O filme abusa um pouco do gênero e torna-se bem mais sangrento que o primeiro, que quase não mostra cenas de morte. A seqüência também perdeu no elenco, pois a atriz Jodie Foster não topou fazer a continuação por não concordar com o rumo dado ao seu personagem. Até o diretor de O Silêncio dos Inocentes, Jonathan Demme, preferiu se afastar desta continuação, por considera-la muito violenta.


Já em 1994, um outro filme mostrando assassinos psicopatas foi bem sucedido. Assassinos por Natureza, de Oliver Stone. Para quem achava que Oliver Stone só sabia fazer filmes sobre o Vietnã. Este é um bom filme de Serial Killers. Aliás, é totalmente diferente dos outros. Possui uma linguagem ousada e se utiliza de película, super-8, betacam e até desenhos animados para tentar explicar como funciona a cabeça de um Serial Killer. Mickey (Woody Harrelson) e Mallory (Juliette Lewis) matam aproximadamente 50 pessoas neste filme.











Em 1995, um outro filme sobre Serial Killer fez um grande sucesso e foi muito bem nas bilheterias, Seven impressionou a todos pelo seu roteiro, que surpreende no final. Com um bom elenco, que conta com Brad Pitt (Detetive David Mills), Morgam Freeman (Detetive William Somerset) e Gwyneth Paltrow (Tracy Mills) em começo de carreira. O filme conta a história de um Serial Killer que mata as pessoas de acordo com os sete pecados capitais e que é interpretado por Kevin Spacey. Durante todo o filme o Serial Killer toma conta do "jogo", deixando os policiais Mills e Somerset "loucos".

O filme tem um final impressionante, fator pelo qual foi elogiado, onde o Serial, depois de já ter matado 5 pessoas, se entrega e diz que já tem os dois corpos que faltam para completar sua seita, que seriam o da ira e o da inveja, mortos em lugar em que só ele sabia. Ele leva os dois detetives até o local onde estariam os corpos, mas quando chegam lá, a principio não há nada, até que chega uma encomenda ao Detetive Mills, que quando aberta, se revela a cabeça de sua mulher Tracy, que evidentemente está morta. Neste momento, o Serial Killer se revela ser a inveja, pois tem inveja da vida do detetive Mills e afirma que matou a mulher de Mills para que ela assumisse a ira. Sendo assim, Mills fica em dúvida, pois se matar o Serial, assumirá ser a Ira e fará com que ele ganhe o "jogo", mas se não mata-lo, perderá sua honra, pois não vingou a morte de sua mulher. Como se era esperado, ele não aguenta e não cede aos pedidos de seu parceiro Somerset, e mata o Serial Killer. Terminado assim o filme.

Foi essa grande distorcida no roteiro que fez com que o filme alcançasse tamanho sucesso, porém o filme também tem outros fatores importantes. A edição é muito bem feita em termos de closes, cortes, ângulos, etc. Principalmente na cena final, que foi descrita acima, o que rendeu ao filme, indicação para o Oscar de Melhor Edição. Uma outra característica deste clássico do gênero, é o fato do nome do ator Kevin Spasey não aparecer nos créditos junto com os outros atores no começo do filme. A preocupação em manter o telespectador em dúvida sobre quem é o assassino a maior parte do tempo, fez com que a produção do filme tomasse essa decisão, pois se o seu nome estivesse aparecido no começo, todos já o associariam ao Serial Killer. Tanto é, que logo que o filme acaba, a tela fica em Fade Out e aparece o nome de Kevin Spacey no centro. Aí sim vem os outros nomes do "casting".

Com certeza, Seven e O Silêncio dos Inocentes são os maiores filmes que abordam Serial Killer. Mas ainda houve outros filmes sobre esse tema até hoje. Continuando a ordem cronológica, a partir de 1996, houve uma volta dos filmes de caráter "trash", só que agora de uma maneira mais amena, com uma linguagem adaptada para os anos 90, do que foi sucesso na década de 1980. Os assassinos continuaram a ser mascarados, os banhos de sangue voltaram a aparecer e os roteiros não melhoraram nada, porém, agradou essa nova geração de adolescentes, que lotou cinemas para ver filmes tipo Pânico, Eu sei o que vocês fizeram no verão passado, etc. Que assim como seus antepassados (Sexta-feira 13, A hora do Pesadelo, etc.), ganharam seqüências, que também foram sucessos.

Depois dessa nova onde de filmes de terror, houve outros filmes que abordaram mais o lado psicológico, mas sem o grande sucesso de Seven ou de O Silêncio dos Inocentes. Nem grandes elencos ajudaram, por exemplo, um filme de 1998, com Christopher Lambert, chamado Ressurreição. O filme é parecido com o Seven, mas ao invés de o Serial Killer matar de acordo com os sete pecados capitais, ele quer ressuscitar Cristo e mata pessoas que tem 33 anos, nome de apóstolos, e de cada um, ele tira um pedaço do corpo para fazer a construção de Cristo. As cenas de ação são parecidas com Seven, e as mortes também, porém, talvez devido ao final, que muito inferior ao de Seven, o filme não foi bem.

Outro filme que também abordou distúrbios mentais e não foi tão bem, foi O Colecionador de Ossos, de 2000, que tem um bom elenco, com Angelina Jolie e Denzel Washington, mas com um roteiro que não agradou muito ao público.
De um modo geral, filmes sobre Serial Killer, possuem histórias baseadas em fatos reais, ou muito fictícias, que vão causar algum tipo de reação ao público. Este gênero vai continuar existindo até porque filmes do tipo agrada o público, que se identifica cada vez mais com o assunto, pois o números de casos de Serial Killers aumenta a cada ano. E sempre serão "prato cheio" para roteiristas inventarem e criarem em cima desses fatos reais.